quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Construção de galpões e instalações industriais

Desenvolvimento de aeroportos, melhoria da malha viária e aumento de centros de distribuição permitiram o aquecimento do mercado imobiliário de galpões industriais. Assim, empresários se sentiram confiantes para investir em construção de galpões em São Paulo. Tanto para venda, quanto para aluguel.



O que permite esse evento é que São Paulo tem uma localização privilegiada e estratégica, com acesso fácil às principais estradas, a portos e aeroportos para o escoamento de produtos. Isso propicia o aumento de demanda desse tipo de imóvel. Investidores com essa visão contribuem também com a economia da sua região, onde empresas atraídas por esses imóveis se instalam nas cidades e promovem a geração de empregos e mais riqueza.

As solicitações são básicas para esse tipo de negócio

Além do acesso fácil e rápido às principais estradas, o imóvel deve permitir a manobra fácil de carretas e caminhões, plataforma de embarque e desembarque de cargas, pátio para estacionamento.
Se há mercado para vender ou alugar? Tudo é muito relativo. Empresa de logística e armazenagem prefere a locação, já quando a empresa tem a necessidade de instalações mais robustas e caras elas buscam a compra do imóvel. Agora para garantir mais capital de giro, dificilmente a opção é pela compra; preferem a locação.
Também pode-se contar com as empresas mais sólidas no mercado que sonham sim com a sede própria.
Seja como um investimento para vender ou alugar, a construção de galpões é hoje um forte negócio imobiliário, pois eles geram ótima taxa de rendimento frente a outros imóveis.

Sabe aquele cliente-investidor que tem potencial para apostar em galpões? Dê sua sugestão a ele e alimente mais um nicho no mercado de imóveis.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Acessibilidade no dia a dia

Pessoas com necessidades especiais precisam de cuidados especiais.

Todas as pessoas necessitam de cuidados especiais como comer, tomar banho, dormir... Quando estamos doentes, o cuidado é ainda maior. Mas existem outras pessoas que precisam de cuidados diários ainda mais especiais.



 Essas pessoas que são portadoras de necessidades especiais podem ser visual, auditiva ou de mobilidade física.
É muito difícil a locomoção de pessoas portadoras de necessidades especiais pelas ruas da cidade. O acesso ao transporte e as edificações ainda é muito precário.
É necessário que ocorra adaptações e muitas melhorias para a locomoção e garantia de melhores condições de vida. 

Nas ruas, por exemplo, é necessário:

  • Fazer rampas e calçadas rebaixadas para os cadeirantes;
  • Colocação de pisos táteis (pisos especiais percebíveis pelo tato) e de alerta para os portadores de deficiência visual;
  • Instalação de barras de metal nas entradas de prédios e edificações;
  • Instalação de rampas de acesso em prédios residenciais e edificações;
  • Instalação de aviso sonoro nos semáforos, para a travessia dos deficientes visuais;
  • Calçadas e ruas em perfeito estado sem buracos e danificações;


Nos meios de transporte, algumas adaptações são necessárias como:

  • Instalação de elevadores nos ônibus para cadeirantes e locais reservados para as pessoas com muletas;
  • Maior quantidade de transporte reservado somente para as pessoas com deficiência, como é o caso do ATENDE;
  • Ampliação desses veículos especializados no transporte de pessoas deficientes também nas pequenas cidades;
  • Profissionais qualificados e especializados para o atendimento de pessoas portadoras de deficiência;
  • No metrô, maior quantidade de pessoas em horários de picos nas plataformas para a locomoção dos portadores de deficiência;


Na construção civil é necessário:
  • A construção de casas e apartamentos adaptados às necessidades especiais.
  • A construção de jardins, parques e museus com acesso aos portadores com deficiência; e adaptação dos que já existem.
É necessário que cada um faça a sua parte para tornar a vida dessas pessoas um pouco mais digna, com qualidade e respeito.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Estudos de viabilidade técnico-financeira para implantação de projetos


Existem diversas formas de fazer a Análise de Viabilidade de um projeto e, tendo realizado a avaliação de alinhamento estratégico, restam as técnicas comparativas, matemáticas e econômicas de fazer.

Por que fazer análises de viabilidade?

Todas as empresas realizam projetos internos, seja para o acréscimo de uma linha de produção, a reforma de uma loja, etc.
Para fazer seus projetos, a empresa conta com um orçamento, ou seja, com algum dinheiro que foi disponibilizado pela diretoria. Acontece que esse dinheiro é bastante disputado, afinal, TODAS as iniciativas (leia-se projetos) da empresa vão disputar pelo mesmo valor.








Assim, destacaremos abaixo alguns passos e componentes necessários para este processo, que em algum momento exigirá certo conhecimento de engenharia financeira. Mas nada que um bom tutor e alguns livros não possam oferecer. O esforço vale a pena! 

Vamos lá:
  • Um levantamento detalhado sobre os principais eixos de receita e em seguida faça o mesmo com as despesas e os custos nas categorias: fixos e variáveis;
  • Tente projetar as informações do item anterior no horizonte de cinco anos. Utilize uma boa e velha planilha eletrônica;
  • Separe os investimentos necessários para a viabilização do projeto, pois estes terão um lugar apropriado no modelo. O mesmo cuidado terá que ser adotado caso exista a decisão de se financiar o projeto;
  • Adote um enfoque conservador. Deixe o entusiasmo de lado e tente pensar como se estivesse estudando um projeto alheio, para o qual foi convidado a aportar o seu caro e suado dinheiro;
  • Identifique os principais resultados na planilha, incluindo a implacável “TIR” (Taxa Interna de Retorno);
  • Com o modelo construído mantenha-o atualizado, de forma que a mesma análise possa ser realizada ao longo do tempo, mas já contando com algumas informações realizadas;
  • Seja frio e saiba cortar na carne para ajustar os custos do projeto, ou mesmo para abortá-lo;
  • Adote a visão de um investidor!


sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

5 coisas que as pessoas não sabem sobre gerenciamento de projetos

Na hora de optar por uma nova construção, é importante pensar se esse é o caminho certo e como percorrê-lo. A maioria das pessoas não sabem sobre pontos importantes do gerenciamento de obras e como eles são cruciais para que o projeto tenha os seus objetivos de qualidade, prazo e custo atendidos, evitando atrasos e aumento de custo.

Conheça 5 coisas que a maioria das pessoas não sabem sobre gerenciamento de obras e saiba mais sobre a sua importância durante um projeto.




1) Ajuda a reduzir os custos

Entre os itens que podem encarecer estão os atrasos, bitributação e riscos na contratação. Para que haja economia, o gerenciamento é crucial por criar a possibilidade de atuação no momento de contratação, eliminando serviços do contrato com construtoras, pois podem ser adquiridos de forma direta com o empreendedor. Ainda assim, a construtora permanece com a responsabilidade sobre os prazos, qualidade, controle, logística, entre outros.

2) Estratégia produtiva

Quem cuida do gerenciamento de obras também ajuda para que a execução de atividades atendam todos os requisitos, como custo e qualidade de acordo com o cronograma planejado. Por isso, o gerenciamento de obras é diretamente ligado à estratégia produtiva da construtora. O gerenciamento passa pelos campos arquitetônico, de estruturas, de instalações elétricas e coordena cada uma dessas partes para que elas sejam cumpridas seguindo uma sequência lógica.

3) Antecipa problemas e resolve imprevistos

Por cuidar de toda a organização do cronograma de uma obra, o gerenciamento também é uma excelente ferramenta para sempre prever problemas e possíveis imprevistos e, por isso, resolvê-los de forma eficaz. O gerenciamento permite que a maioria desses possíveis problemas possam ser resolvidos ainda antes do início da construção, aumentando a produtividade e fazendo com que o cronograma possa ser realizado dentro do previsto.

4) Total controle do estoque de materiais

Pouca gente sabe que o gerenciamento de obras também auxilia a ter um maior controle sobre o estoque de material para a construção. Isso se traduz rapidamente em economia, pois evita o desperdício e ajuda a manter toda a obra com os gastos dentro do orçamento. Um bom gerenciamento ajuda por conter uma lista com todos os produtos comprados e um acompanhamento do uso dos materiais, deixando claro quando é necessário comprar mais algum item. Indiretamente, esse benefício também ajuda a controlar melhor a mão de obra contratada e o quanto de material vem sendo utilizado.

5) Ajuda na fiel execução dos projetos

Como o gerenciamento auxilia a contratar mão de obra especializada e coordenar os contratados nas diferentes etapas da construção, além ajudar no cumprimento das etapas dentro do cronograma e do orçamento, tudo isso se traduz na execução fiel dos projetos. Claro, durante o percurso podem ter de haver alterações, mas com um bom gerenciamento de obras a alteração poderá ser feita sem comprometer a essência do projeto aprovado.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Elaboração de DataBook de projetos executados

O Databook é um livro de dados contendo todos os documentos que fizeram parte de uma obra, seja ela de Construção Civil, Naval, ou de qualquer outra área da Engenharia. 


É um dossiê da construção e montagem, ou mesmo de fornecimento, uma coleção de documentos que conta a história de um processo, do início ao fim, evidenciando tudo o que for importante para o cliente, e pode envolver as áreas Comerciais, técnica e da qualidade.


O Databook não é coberto por nenhuma norma oficial, e, apesar de muitas empresas seguirem Normas ABNT (a mesma utilizada para dissertações e trabalhos acadêmicos), cada empresa adota critérios próprios e regras específicas para elaboração, definindo a documentação, os formulários e os certificados que farão parte do databook.
Uma coisa é certa: o Databook é confeccionado no final da obra, quando todos os documentos já sofreram alterações e estão na revisão final 
Geralmente, o Databook é separado por seções, montado em pasta de capa dura (Pasta A-Z, por exemplo), na versão impressa e também em meio eletrônico, onde a estrutura do diretório de ambos seguem fielmente alinhadas, com índice geral e um índice individual para cada volume, para melhor localização dos documentos.
A digitalização é o processo de captura das imagens e textos impressos (papel) através de scanners profissionais. Depois, são convertidos em arquivos digitais (PDF, TIFF, JPEG, etc.).
Os documentos de um Databook podem ser protegidos por senha, evitando alteração, abertura indevida, impressão, entre outros itens de segurança.

Não existe construção ou obra que não inclua um projeto hidráulico.

O plano hidráulico é um dos requisitos importantes na hora de construir ou reformar. Afinal, a passagem de tubulações de água precisa ser cuidadosamente planejada.

Ele evita inúmeros erros na montagem do sistema, economizando dinheiro e tempo.
Ele prevê todas as especificações de canalização, com as dimensões necessárias ao sistema hidráulico. E devem ser bem guardados para possíveis futuras obras ou reparos em encanamentos.

A sugestão é a contratação de um engenheiro para que possa vistoriar o prédio e realizar este cronograma de ações. 

A planta geral da instalação hidráulica mostra o conjunto de ramificações do encanamento e os lugares por onde passam estes canos, com tamanhos e outros detalhes.

Para simplificar, vamos chamar de encanamento vários dutos condutores responsáveis pela distribuição de não apenas água mas também eletricidade, gás, telefone, etc.
Se você pretende mudar uma parede, fazer um buraco para uma nova porta, colocar uma prateleira ou ainda consertar um vazamento interno de uma parede, você tem de ter em mãos a planta geral de instalação hidráulica e a elétrica, por vários motivos:
  • Localizar a passagem dos canos, e quais;
  • Saber qual é o registro que fechará a água ou qual a caixa onde se desconecta um determinado cômodo;
  • Saber quais as ramificações que ficarão à seco (banheiros, cozinha, etc.) ou no escuro caso o conserto leve tempo.
Um aspecto muito importante para se levar em conta é a pressão da água na rua.
Quando a pressão da água é muito baixa, acaba levando tempo demais para encher a caixa d’água.
Isso acarreta desde a escassez da água em casa ao mau funcionamento de chuveiros (com pingos ao invés de jatos), lavadoras de roupa (demoram a encher) e de louça (demora para completar sua função).
Em contrapartida, se a pressão é demasiadamente alta, a tubulação deverá ser mais larga e com conexões bem mais fortes.
A saída é instalar dispositivos que controlam esses extremos de pressão.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Por que fazer manutenção predial preventiva?

Na tentativa de diminuir gastos, o administrador elimina erroneamente serviços de manutenção periódica da edificação, e quando surgem os problemas é tardiamente priorizada, obrigando-o a fazer um reparo ainda maior, mais profundo e acumulativo que nomeamos como "manutenção corretiva".

Vantagens da manutenção predial preventiva


Fatos relevantes para se pensar em manutenção preventiva são quedas de rebocos, revestimentos e até mesmo pedaços de concreto da estrutura de fachadas que podem causar vítimas em decorrência do abandono da manutenção preventiva.
                    
Algumas explicações técnicas podem esclarecer conceitos tais como: a pintura é proteção, não é embelezamento! 

Com o passar do tempo, a ação das intempéries, sejam, variação térmica, chuvas, ventos e maresias, promovem o desgaste da camada de tinta das paredes externas. Com o desaparecimento desta camada de pintura (leia-se proteção), todos os agentes que atuam como já mencionado, passam a agredir sobre o reboco, acarretando o degaste acelerado do mesmo. 
Iniciam-se então o esfarelamento e desagregação da argamassa de reboco, que são visualmente percebidas nos locais onde a erosão é mais acentuada. 

A conclusão é evidente: se houvesse permanentemente uma camada de pintura, não haveria os problemas descritos. 
Podemos então reafirmar, "tinta é proteção e não embelezamento".

Uma obra de recomposição de rebocos e concretos seguida de repintura é uma obra muito mais incômoda que uma simples repintura. Em outras palavras, a manutenção preventiva periódica, é muito menos dolorosa no "bolso" do condomínio que a manutenção corretiva.



As vantagens do calçamento de bloquetes

Muitas calçadas, pátios, estacionamentos e áreas externas de condomínios são revestidos com bloquinhos de concreto, os bloquetes. Também são conhecidos como pavers  ou pavimentos drenantes, porque são assentados diretamente sobre o solo ou areia e podem, assim, deixar infiltrar a água de chuva em vez de jogá-la para os bueiros, galerias e córregos. Isso ajuda muito a evitar alagamentos, porque o solo pode absorver boa parte da água. Esse pavimento também é vantajoso porque podemos retirar os blocos, consertar tubulações enterradas e depois recolocar as peças sem quebra-quebra.
Os pavimentos de concreto intertravado são compostos de peças pré moldadas que não utilizam rejunte e são assentadas diretamente sobre um colchão de areia. Esse sistema facilita a drenagem da água e, portanto, aparece como uma boa opção para a redução de impactos das chuvas, colaborando para a diminuição de superfícies impermeabilizadas e diminuindo o escoamento superficial.

Além do cinza, a cor natural do concreto, você pode encontrar bloquetes nas cores terracota, vermelho, cinza-escuro, camurça e amarelo.



Os bloquinhos são vendidos pelas empresas por metro quadrado e estocados sobre paletes de madeira ou cintados. São oferecidos em diversos formatos, cores e modulações, com espessuras que vão de 6 cm a 10 cm, de acordo com a aplicação. As características das peças de concreto intertravado variam de acordo com o tipo de tráfego que o pavimento comportará.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A importância da fiscalização técnica de obras

Os processos de inspeção e manutenção são de grande importância para as obras de construção civil, pois garantem o melhor funcionamento, assegurando o bem estar de todos os envolvidos e a qualidade do imóvel final.

Mesmo assim, os processos nem sempre são encarados com bons olhos pelos construtores e demais profissionais do ramo.

As atividades demandam tempo e, muitas vezes, algum investimento que não havia sido previsto no início do projeto. É questionada, inclusive, a necessidade de realizar esse tipo de fiscalização.
Por outro lado, esses também são processos fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. As vistorias e a manutenção devem ser encaradas não como um “atraso” no seu cronograma, mas como uma oportunidade para otimizar os custos da sua obra, melhorando a sua construção. Através delas, inclusive, é possível fazer uma boa economia, priorizando a responsabilidade e segurança.
As vistorias devem ser feitas por profissionais especializados, com um olhar crítico e embasamento técnico. O bom senso e a responsabilidade sempre devem comandar as suas ações. Quando for necessário fazer um reparo ou manutenção na sua obra, aja de maneira responsável e providencie o mais rápido possível. A demora em corrigir as falhas, mesmo que pequenas, pode acarretar em uma série de prejuízos.

Instalações elétricas - Principais falhas

Os reparos em instalações elétricas oferecem riscos inerentes à eletricidade, requerendo a adoção de medidas de controle e/ou eliminação dos riscos de exposição à energia elétrica. Portanto, devem ser realizados por profissionais qualificados, conforme determina a Norma Regulamentadora nº 10 – “Instalações e Serviços em Eletricidade” do Ministério do Trabalho e Emprego.

Qualquer acidente envolvendo eletricidade pode ser fatal. Não faça nenhum reparo, por menor que seja. Chame um profissional.


Dentre as principais falhas encontradas em instalações elétricas, podemos listar:


1) Fuga de corrente: por problemas na isolação dos fios, a corrente “foge” do circuito e pode ir para a terra (através do fio terra). Quando o fio terra não existe, a corrente fica na carcaça dos equipamentos (eletrodomésticos), causando o choque elétrico.
2) Sobrecarga: ocorre quando a corrente elétrica é maior do que aquela que os fios e cabos suportam. Ocorre
quando ligamos muitos aparelhos ao mesmo tempo. Os fios são danificados pelo aquecimento elevado.
3) Curto circuito: é causado pela união de duas ou mais potenciais (por ex.: fase-neutro/fase-fase), criando um caminho sem resistência, provocando aquecimento elevado e danificando a isolação dos fios e cabos, devido aos altos valores que a corrente elétrica atinge nessa situação.
4) Sobretensão: é uma tensão que varia em função do tempo. Ela varia entre fase e neutro ou entre fases, cujo valor é superior ao máximo de um sistema convencional. Essa sobretensão pode ter origem interna ou externa.

  • Externa: descargas atmosféricas
  • Interna: curto circuito, falta de fase, manobra de disjuntores etc.
Para evitar essas falhas, toda instalação elétrica deve passar por uma avaliação criteriosa, feita por um profissional qualificado e habilitado, com base em normas técnicas (NBR5410) que estabelecem os parâmetros e as condições mínimas de qualidade e desempenho que as instalações devem apresentar, garantindo assim o seu correto e seguro funcionamento.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

O avanço tecnológico nos sistemas hidráulicos e sanitários é potencializado quando bem projetado e executado


Ao construir um imóvel,  temos que nos importar com os detalhes de um bom projeto arquitetônico, que auxilia na hora da construção e para a legalização da obra. Porém, quando se trata de um projeto de instalações elétricas e hidráulicas, as pessoas normalmente não veem a importância de realizar esses projetos porque não são necessários para a legalização da obra. 

Neste post, vamos explicar e refletir sobre a real importância do projeto de instalações elétricas e hidráulicas e os 3 principais benefícios:

1) Economizar nas contas de água e luz

Emendas mal feitas, materiais de baixa qualidade e não apropriados são constantemente grandes responsáveis por desperdício de água e energia. Um fio elétrico de tamanho não adequado pode esquentar mais do que o devido, provocando perda de energia, por exemplo. Com um projeto de instalações bem elaborado, erros como esses podem ser facilmente evitados.

2) Evitar desperdiço de materiais durante a obra 
Fala se muito sobre o desperdício de materiais na construção civil. Aquele cenário em que o cliente vai diversas vezes na loja de construção, durante a execução da obra, para comprar diversos tipos de materiais, sendo que boa parte deles sobra, é cada vez mais comum. Esse cenário pode ser evitado com um bom projeto de instalações, que ajuda a estimar melhor a quantidade e o tipo dos fios, eletrodutos e canos que serão utilizados antes da obra começar, ajudando também a determinar melhor o orçamento e economizar.


3) Evitar problemas futuros com instalações mal projetadas
Nada pior do que o disjuntor desarmar durante o banho, ligar um aparelho novo na tomada e ele simplesmente queimar ou ainda, não conseguir identificar o local exato da infiltração de água e ter que derrubar paredes inteiras para consertar. Todas essas situações podem ser evitadas com um projeto de instalações prediais que vai determinar adequadamente a carga do seu circuito


Acessibilidade – Vamos adaptar!

Você ou alguém muito próximo de você algum dia, já quebrou um braço? Uma perna? Precisou subir escadas de muletas, por exemplo? Ou ainda precisou de ajuda para chegar a algum lugar?

A acessibilidade não deve ser vista e pensada só para as pessoas com deficiência.
Ela precisa estar dentro de cada um de nós. Porque nunca se sabe, não é verdade?
Primeiro passo: não exclua ninguém, a não ser o preconceito.



As construções feitas a partir de 2004 precisam estar de acordo com a Norma Téc­­nica 9050, publicada pela Associação Brasileira de Nor­­mas Técnicas (ABNT). O texto indica que todo o mobiliário e equipamentos urbanos devem estar acessíveis, independente da condição ou das características da pessoa. A normatização ganhou força de lei com a publicação do decreto 5296 de 2004, que regulamenta os critérios bá­­sicos para acessibilidade.

Nós da Global Service desenvolvemos projetos com diferenciais em acessibilidade. Temos plantas de ambientes adaptados voltados para melhorar a acessibilidade de pessoas com dificuldades de mobilidade e toda uma área externa adaptada aos Portadores de Necessidades Especiais (PNE).