quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Por que fazer manutenção predial preventiva?

Na tentativa de diminuir gastos, o administrador elimina erroneamente serviços de manutenção periódica da edificação, e quando surgem os problemas é tardiamente priorizada, obrigando-o a fazer um reparo ainda maior, mais profundo e acumulativo que nomeamos como "manutenção corretiva".

Vantagens da manutenção predial preventiva


Fatos relevantes para se pensar em manutenção preventiva são quedas de rebocos, revestimentos e até mesmo pedaços de concreto da estrutura de fachadas que podem causar vítimas em decorrência do abandono da manutenção preventiva.
                    
Algumas explicações técnicas podem esclarecer conceitos tais como: a pintura é proteção, não é embelezamento! 

Com o passar do tempo, a ação das intempéries, sejam, variação térmica, chuvas, ventos e maresias, promovem o desgaste da camada de tinta das paredes externas. Com o desaparecimento desta camada de pintura (leia-se proteção), todos os agentes que atuam como já mencionado, passam a agredir sobre o reboco, acarretando o degaste acelerado do mesmo. 
Iniciam-se então o esfarelamento e desagregação da argamassa de reboco, que são visualmente percebidas nos locais onde a erosão é mais acentuada. 

A conclusão é evidente: se houvesse permanentemente uma camada de pintura, não haveria os problemas descritos. 
Podemos então reafirmar, "tinta é proteção e não embelezamento".

Uma obra de recomposição de rebocos e concretos seguida de repintura é uma obra muito mais incômoda que uma simples repintura. Em outras palavras, a manutenção preventiva periódica, é muito menos dolorosa no "bolso" do condomínio que a manutenção corretiva.



As vantagens do calçamento de bloquetes

Muitas calçadas, pátios, estacionamentos e áreas externas de condomínios são revestidos com bloquinhos de concreto, os bloquetes. Também são conhecidos como pavers  ou pavimentos drenantes, porque são assentados diretamente sobre o solo ou areia e podem, assim, deixar infiltrar a água de chuva em vez de jogá-la para os bueiros, galerias e córregos. Isso ajuda muito a evitar alagamentos, porque o solo pode absorver boa parte da água. Esse pavimento também é vantajoso porque podemos retirar os blocos, consertar tubulações enterradas e depois recolocar as peças sem quebra-quebra.
Os pavimentos de concreto intertravado são compostos de peças pré moldadas que não utilizam rejunte e são assentadas diretamente sobre um colchão de areia. Esse sistema facilita a drenagem da água e, portanto, aparece como uma boa opção para a redução de impactos das chuvas, colaborando para a diminuição de superfícies impermeabilizadas e diminuindo o escoamento superficial.

Além do cinza, a cor natural do concreto, você pode encontrar bloquetes nas cores terracota, vermelho, cinza-escuro, camurça e amarelo.



Os bloquinhos são vendidos pelas empresas por metro quadrado e estocados sobre paletes de madeira ou cintados. São oferecidos em diversos formatos, cores e modulações, com espessuras que vão de 6 cm a 10 cm, de acordo com a aplicação. As características das peças de concreto intertravado variam de acordo com o tipo de tráfego que o pavimento comportará.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A importância da fiscalização técnica de obras

Os processos de inspeção e manutenção são de grande importância para as obras de construção civil, pois garantem o melhor funcionamento, assegurando o bem estar de todos os envolvidos e a qualidade do imóvel final.

Mesmo assim, os processos nem sempre são encarados com bons olhos pelos construtores e demais profissionais do ramo.

As atividades demandam tempo e, muitas vezes, algum investimento que não havia sido previsto no início do projeto. É questionada, inclusive, a necessidade de realizar esse tipo de fiscalização.
Por outro lado, esses também são processos fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. As vistorias e a manutenção devem ser encaradas não como um “atraso” no seu cronograma, mas como uma oportunidade para otimizar os custos da sua obra, melhorando a sua construção. Através delas, inclusive, é possível fazer uma boa economia, priorizando a responsabilidade e segurança.
As vistorias devem ser feitas por profissionais especializados, com um olhar crítico e embasamento técnico. O bom senso e a responsabilidade sempre devem comandar as suas ações. Quando for necessário fazer um reparo ou manutenção na sua obra, aja de maneira responsável e providencie o mais rápido possível. A demora em corrigir as falhas, mesmo que pequenas, pode acarretar em uma série de prejuízos.

Instalações elétricas - Principais falhas

Os reparos em instalações elétricas oferecem riscos inerentes à eletricidade, requerendo a adoção de medidas de controle e/ou eliminação dos riscos de exposição à energia elétrica. Portanto, devem ser realizados por profissionais qualificados, conforme determina a Norma Regulamentadora nº 10 – “Instalações e Serviços em Eletricidade” do Ministério do Trabalho e Emprego.

Qualquer acidente envolvendo eletricidade pode ser fatal. Não faça nenhum reparo, por menor que seja. Chame um profissional.


Dentre as principais falhas encontradas em instalações elétricas, podemos listar:


1) Fuga de corrente: por problemas na isolação dos fios, a corrente “foge” do circuito e pode ir para a terra (através do fio terra). Quando o fio terra não existe, a corrente fica na carcaça dos equipamentos (eletrodomésticos), causando o choque elétrico.
2) Sobrecarga: ocorre quando a corrente elétrica é maior do que aquela que os fios e cabos suportam. Ocorre
quando ligamos muitos aparelhos ao mesmo tempo. Os fios são danificados pelo aquecimento elevado.
3) Curto circuito: é causado pela união de duas ou mais potenciais (por ex.: fase-neutro/fase-fase), criando um caminho sem resistência, provocando aquecimento elevado e danificando a isolação dos fios e cabos, devido aos altos valores que a corrente elétrica atinge nessa situação.
4) Sobretensão: é uma tensão que varia em função do tempo. Ela varia entre fase e neutro ou entre fases, cujo valor é superior ao máximo de um sistema convencional. Essa sobretensão pode ter origem interna ou externa.

  • Externa: descargas atmosféricas
  • Interna: curto circuito, falta de fase, manobra de disjuntores etc.
Para evitar essas falhas, toda instalação elétrica deve passar por uma avaliação criteriosa, feita por um profissional qualificado e habilitado, com base em normas técnicas (NBR5410) que estabelecem os parâmetros e as condições mínimas de qualidade e desempenho que as instalações devem apresentar, garantindo assim o seu correto e seguro funcionamento.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

O avanço tecnológico nos sistemas hidráulicos e sanitários é potencializado quando bem projetado e executado


Ao construir um imóvel,  temos que nos importar com os detalhes de um bom projeto arquitetônico, que auxilia na hora da construção e para a legalização da obra. Porém, quando se trata de um projeto de instalações elétricas e hidráulicas, as pessoas normalmente não veem a importância de realizar esses projetos porque não são necessários para a legalização da obra. 

Neste post, vamos explicar e refletir sobre a real importância do projeto de instalações elétricas e hidráulicas e os 3 principais benefícios:

1) Economizar nas contas de água e luz

Emendas mal feitas, materiais de baixa qualidade e não apropriados são constantemente grandes responsáveis por desperdício de água e energia. Um fio elétrico de tamanho não adequado pode esquentar mais do que o devido, provocando perda de energia, por exemplo. Com um projeto de instalações bem elaborado, erros como esses podem ser facilmente evitados.

2) Evitar desperdiço de materiais durante a obra 
Fala se muito sobre o desperdício de materiais na construção civil. Aquele cenário em que o cliente vai diversas vezes na loja de construção, durante a execução da obra, para comprar diversos tipos de materiais, sendo que boa parte deles sobra, é cada vez mais comum. Esse cenário pode ser evitado com um bom projeto de instalações, que ajuda a estimar melhor a quantidade e o tipo dos fios, eletrodutos e canos que serão utilizados antes da obra começar, ajudando também a determinar melhor o orçamento e economizar.


3) Evitar problemas futuros com instalações mal projetadas
Nada pior do que o disjuntor desarmar durante o banho, ligar um aparelho novo na tomada e ele simplesmente queimar ou ainda, não conseguir identificar o local exato da infiltração de água e ter que derrubar paredes inteiras para consertar. Todas essas situações podem ser evitadas com um projeto de instalações prediais que vai determinar adequadamente a carga do seu circuito


Acessibilidade – Vamos adaptar!

Você ou alguém muito próximo de você algum dia, já quebrou um braço? Uma perna? Precisou subir escadas de muletas, por exemplo? Ou ainda precisou de ajuda para chegar a algum lugar?

A acessibilidade não deve ser vista e pensada só para as pessoas com deficiência.
Ela precisa estar dentro de cada um de nós. Porque nunca se sabe, não é verdade?
Primeiro passo: não exclua ninguém, a não ser o preconceito.



As construções feitas a partir de 2004 precisam estar de acordo com a Norma Téc­­nica 9050, publicada pela Associação Brasileira de Nor­­mas Técnicas (ABNT). O texto indica que todo o mobiliário e equipamentos urbanos devem estar acessíveis, independente da condição ou das características da pessoa. A normatização ganhou força de lei com a publicação do decreto 5296 de 2004, que regulamenta os critérios bá­­sicos para acessibilidade.

Nós da Global Service desenvolvemos projetos com diferenciais em acessibilidade. Temos plantas de ambientes adaptados voltados para melhorar a acessibilidade de pessoas com dificuldades de mobilidade e toda uma área externa adaptada aos Portadores de Necessidades Especiais (PNE).